segunda-feira, 22 de maio de 2017

G.D.Ae. da UFC Faz Parceria Com o SENAI no Ceará

Olá leitor!

No dia 24 de abril passado o “Grupo de Desenvolvimento Aeroespacial (G.D.Ae.)” da Universidade Federal do Ceará (UFC) deu um grande passo visando alcançar os seus objetivos futuros, quando integrantes da equipe apresentaram as suas atividades à representantes do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) do estado do Ceará.

Os membros do Grupo foram recebidos no SENAI-CE com muito entusiasmo e grande expectativa, e por meio de futuros encontros serão definidos os detalhes desta importante parceria que, segundo o comunicado do grupo em sua página oficial no Facebook, promete gerar grandes avanços para ambas as partes.


Vale aqui lembrar que, apesar do G.D.Ae. não ter participado do recente Festival Nacional de Minifoguetes em Curitiba-PR (creio eu por falta de recursos), este grupo curiosamente tem agendada (fora as atividades da Associação COBRUF) a única Missão de lançamento de foguete a ser realizada de um centro de lançamento oficial no Brasil. Trata-se da “Missão Dragão do Mar” (veja aqui) que prevê o desenvolvimento e lançamento de um foguete de propulsão híbrida denominado de HERMES-1 para ser lançado no início de 2018 do Centro de Lançamento Barreira do Inferno (CLBI), em Paranamirim-RN.

Realmente uma missão ambiciosa e complicada, mas que é uma clara demonstração do compromisso e a vontade de mostrar competência desses jovens cearenses.

Avante G.D.Ae

Duda Falcão

Comunicado Importante - CVT Espacial Patina Por Pura Incompetência Dentro da AEB

Olá leitor!

Todos que acompanham diariamente ou com certa assiduidade o Blog BRAZILIAN SPACE sabem que uma de nossas bandeiras é a educação, não sendo por acaso o nosso comprometimento e empenho com a divulgação sobre as atividades de Espaçomodelismo no Brasil.

Por conta disso estou muito preocupado com o que está acontecendo com um dos poucos projetos relevantes dessa nossa Agencia Espacial de Brinquedo (AEB) que infelizmente esta sob a direção desse banana do Sr. Braga Coelho.

Iniciativa de grande relevância para educação espacial no país o “Projeto CVT Espacial” infelizmente continua patinando e sem prazo para sua conclusão.

Segundo informação de fonte confiável, esse projeto de suma importância para todos os níveis de educação espacial no Brasil (fundamental, médio e superior) esta parado (pasmem) numa ‘ciranda de bate e volta’ dentro da própria Agencia por pura e completa INCOMPETÊNCIA da pessoa (ou pessoas) envolvidas em dar prosseguimento com a sua documentação.

Sr. Braga Coelho, como cidadão brasileiro exijo que o senhor tire seu traseiro de sua poltrona confortável e resolva imediatamente esta questão. Se mexa, eu vou cobrar.

Duda Falcão

Equipe de Fogueteiros do Projeto Júpiter da Poli USP Confirma Sua Participação no Spaceport America Cup

Olá leitor!

Recebi uma notícia enviada ao Blog pela jovem Giovana Vucovic, estudante de engenharia da Escola Politécnica (Poli) da USP e integrante da equipe de fogueteiros do “Projeto Júpiter” desta universidade, confirmando que dentro de cerca de dois meses esta equipe participará pela terceira vez consecutiva nos EUA da maior competição de foguetes intercolegial do mundo que, até o ano passado era denominada de Intercollegiate Rocket Engineering Competition (IREC) e a partir de 2017 passou a ser denominada de Spaceport America Cup. Veja abaixo no relato dessa jovem universitária paulista um pouco dessa história e aproveitamos aqui para lembrar que se na América do Norte já existe esta competição internacional de grande sucesso, aqui na América do Sul a galerinha da Associação COBRUF trabalha com grande esforço para que um dia a COBRUF Rockets possa também se tornar a contrapartida sul-americana no hemisfério Sul do planeta, fora o já consolidado Festival Nacional de Minifoguetes da BAR que também pode caminhar nesta direção, e para tanto precisará inicialmente da participação e colaboração de todos os fogueteiros espalhados pelo Brasil, bem como posteriormente a participação de equipes universitárias do todo o mundo. Sucesso a todos (estou na torcida Emersson e Prof. Marchi) e em especial a equipe do “Projeto Júpiter” nesta competição que se aproxima.

Duda Falcão

Logo da equipe.
Grupo universitário de engenharia aeroespacial se prepara para competição mundial Estudantes do Projeto Júpiter levantam verba através de crowdfunding para participar da Spaceport America Cup, que ocorrerá em junho nos Estados Unidos.

Criado em 2014 por um grupo de estudantes da Escola Politécnica (Poli) da USP, a equipe se dedica a desenvolver projetos e pesquisas na área aeroespacial. Os alunos do Projeto Júpiter projetam, constroem e divulgam tudo o que é preciso para dar vida a um foguete que voará até 3 km de altitude.

Do sistema de propulsão à construção da estrutura mais aerodinâmica possível; dos sensores embarcados ao mecanismo de recuperação, o grupo se encarrega de garantir que a cada ciclo anual um novo foguete seja criado com mais qualidade que o anterior. E é com esse foguete que os alunos participam da Spaceport America Cup, ao lado de mais de 100 equipes do mundo inteiro.

A competição avalia alguns aspectos tanto do voo quanto do foguete em si, tais como a altura atingida, a recuperação efetiva do veículo, e a sua carga útil. "Neste ano, procuramos desenvolver um foguete que atingisse o mais próximo dos 3 km que a competição exige, com a maior precisão possível. Isso exigiu inúmeras simulações envolvendo seus diferentes parâmetros, como dimensões, massa e impulso. Estamos confiantes de que esse ano nosso foguete atingirá um patamar satisfatório", relata Rodrigo Schmitt, integrante do grupo.

No final do mês de junho, o evento contará com a presença de 7 equipes brasileiras. Três anos atrás, apenas o ITA participava da competição, até que em 2015, um ano após sua criação, o Projeto Júpiter resolveu assumir o desafio, abrindo espaço para ainda mais grupos do Brasil se desafiarem. "Nossa primeira participação foi um tanto sutil, pois o grupo tinha acabado de nascer. Cumprimos os requisitos básicos para participar e conseguimos o apoio financeiro para a viagem, mas apenas o suficiente para levar 3 membros. Mesmo assim, foi uma porta de entrada importante tanto para nós quanto para as outras equipes brasileiras, que podem ter se inspirado na nossa participação ao lado do ITA", explica.

Em 2016, o grupo construiu um novo foguete, chamado Nabo I. Agora com 7 membros representando a equipe na competição, o Projeto Júpiter conseguiu a colocação de vigésimo quarto, na frente até mesmo de universidades como Yale. "Crescemos e amadurecemos muito rápido como equipe, e por causa disso o projeto desse ano está muito mais ambicioso. Dessa vez, pretendemos ir em 12 pessoas, com o objetivo de levar o projeto do Brasil para os Estados Unidos e garantir ainda mais excelência na sua execução", afirma Rodrigo.

Integrantes da equipe com o foguete NABO I que
participou no ano passado da competição nos EUA.

Em junho, o Projeto Júpiter pretende alcançar uma posição ainda mais expressiva na competição. “Procuramos representar o Brasil da melhor forma possível. Mais do que isso, queremos mostrar que não são apenas os americanos que fazem um trabalho de qualidade na ciência e tecnologia, mas que os brasileiros podem muito bem bater de frente, com tanta qualidade quanto”, conclui.

Com tal ambição, os alunos lançaram uma campanha de arrecadação no ar para poder bancar a viagem dos participantes. Para apoiar diretamente o projeto e receber as recompensas propostas pelos estudantes, entre em: https://www.catarse.me/projetojupiter.


Fonte: Equipe do Projeto Júpiter da Escola Politécnica (Poli) da USP

domingo, 21 de maio de 2017

Escola Pernambucana de Ensino Médio Realiza Lançamento de Foguetes Construídos Por Alunos

Olá leitor!

Veja que notícia curiosa. O Colégio Santa Emília (CSE) da unidade de Cordeiro, em Recife-PE, realizou com os seus alunos do 9º ano, no dia 31/03, na praia do Janga, em Paulista, uma inovadora e interessantíssima aula extraclasse tendo um mix das disciplinas de história, geografia e física, mas com foco principal no lançamento de foguetes construídos em sala de aula sob a orientação do Professor de Física João Neto.

Simplesmente fantástico esta iniciativa dos professores desta escola pernambucana e o Blog BRAZILIAN SPACE não podia deixar de registrara-la.

Veja abaixo leitor algumas fotos deste evento e caso queira conferir mais fotos visite o link: https://www.facebook.com/pg/CSE.UnidadeCordeiro/photos/?tab=album&album_id=1346298342116201

Duda Falcão

sábado, 20 de maio de 2017

Associação COBRUF Anuncia Projeto Conceitual Preliminar da COBRUF CUBE

Olá leitor!

Dando sequencia ao grande trabalho que vem realizando, a Associação COBRUF anunciou dia 17/05 em sua página oficial no Facebook o projeto conceitual preliminar da mais avançada competição universitária de CubeSats do mundo segundo eles, ou seja, a COBRUF CUBE. Veja abaixo.

Duda Falcão

COBRUF CUBE - Competição
Brasileira Universitária de CubeSats


A Associação COBRUF orgulhosamente anuncia o projeto conceitual preliminar da mais avançada competição universitária de CubeSats do mundo: a Cobruf CUBE!

Interessados em participar da viabilização desta pioneira competição podem se candidatar à equipe interna da COBRUF pelo seguinte formulário: https://goo.gl/forms/ojJn7UGcQfOsME5P2

Curta a página Cobruf no Facebook se você apoia esta iniciativa!


Mais sobre o cronograma de desenvolvimento da Cobruf CUBE em https://goo.gl/cu3ugZ


Fonte: Associação COBRUF

Experimento de Alunos da UnB Leva Pela 3ª Vez Plataforma à Estratosfera

Olá leitor!

Um experimento realizado recentemente por alunos da Universidade de Brasília (UnB) levou à estratosfera pela terceira vez uma plataforma de baixo custo denominada de LAICAnSat. O equipamento que tem uma estrutura similar a de um pequeno satélite foi projetado para coleta de dados atmosféricos.

Agora o grupo busca apoio financeiro para realizar um outro lançamento desta vez dos EUA. Veja essa história com mais detalhes na matéria abaixo produzida pela TV BRASIL e exibida ontem 19/05 pelo Programa REPORTER DF desta emissora.

Aproveitamos para agradecer uma vez mais ao nosso leitor e colaborador incansável Jahyr Jesus Brito.

Duda Falcão

sexta-feira, 19 de maio de 2017

Falta de Recursos Prejudica Defesa, Espaço e Controle Aéreo, Alerta Comandante da Aeronáutica

Olá leitor!

Segue abaixo uma nota postada dia (18/05) no site da “Agência Senado” destacando que segundo o que disse em audiência pública o Comandante da Aeronáutica, Tenente Brigadeiro-do-Ar Nivaldo Luiz Rossato, falta de recursos prejudica Defesa, Espaço e Controle Aéreo.

Duda Falcão

COMISSÕES

Falta de Recursos Prejudica Defesa e Controle
Aéreo, Alerta Comandante da Aeronáutica

Por Sergio Vieira
Agencia Senado
18/05/2017, 14h27
Atualizado em 18/05/2017, 19h05

Pedro França/Agência Senado
Comandante da Aeronáutica, tenente brigadeiro-do-ar Nivaldo
Luiz Rossato (E), e o presidente da CRE, senador Fernando Collor.

Os cortes de verbas e restrições orçamentárias que atingem o controle de tráfego aéreo nos últimos anos já afetam a confiabilidade do sistema no Brasil. O alerta foi feito pelo comandante da Aeronáutica, tenente brigadeiro-do-ar Nivaldo Luiz Rossato, em audiência pública realizada nesta quinta-feira (18) na Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE).

- A Força Aérea se ressente dessa falta de recursos. É relativamente grave. O país parou de investir enquanto o custeio não para de aumentar. Isso acaba degradando em parte o sistema, a confiabilidade é prejudicada - alertou.

De acordo com o comandante, os recursos são contingenciados apesar de serem oriundos de tarifas com destinação específica para o setor, não provenientes do Tesouro Nacional.

Amazônia

O comandante também reclamou pelo fato de o Ministério dos Transportes não estar mais repassando à Força Aérea a parte equivalente à manutenção da Comissão de Aeroportos da Região Amazônica (COMARA).

- A COMARA está há dois anos à míngua. Ou voltam esses repasses ou vamos fechar a COMARA, porque essa estrutura deteriora rapidamente sem manutenção - lamentou.

Por isso, ele pede uma ação no âmbito do Legislativo ou por meio do próprio Ministério dos Transportes para o retorno desses recursos, que chegaram a representar R$ 300 milhões por ano. O setor, segundo o comandante, está consciente da atual conjuntura de restrições orçamentárias, mas acredita que a sociedade brasileira não pode abrir mão de investir pelo menos R$ 100 milhões por ano.

- Talvez seja esse o interesse de grande parte do mundo, que deixemos a Amazônia para que seja transformada numa reserva internacional. Se queremos nossa presença lá, esta é uma responsabilidade da Força que tem que ser dividida com toda a sociedade brasileira - afirmou.

O comandante também pediu atenção urgente para a necessidade de modernizar a frota de aviões-radares, que fazem a vigilância das fronteiras. A quantidade desses instrumentos também vem caindo devido à falta de investimentos, informou Rossato.

Argentina

Outro setor negligenciado cronicamente pelo país, segundo o comandante da Aeronáutica, é o de pesquisas espaciais. O Brasil, informou Rossato, investe somente 0,06% do PIB nessa área, cerca de U$ 100 milhões. A Argentina, observou ele, tem investido cerca de U$ 1,2 bilhão por ano, 12 vezes mais que o Brasil.

- A Argentina, à despeito de ter as mesmas dificuldades que nós, tem percebido melhor a potencialidade do espaço - disse o militar, lembrando que outros países, como EUA, Rússia, China e Índia, investem ainda mais.

O lançamento do satélite geoestacionário no último dia 4 de maio foi um grande passo na avaliação do comandante. Para ele, a iniciativa deve melhorar muito a infraestrutura de comunicação militar e dos serviços de banda larga, inclusive para a Região Amazônica. Por isso, Rossato disse que a Força Aérea está trabalhando na efetivação de um segundo satélite dessa modalidade.

- Investir em satélites, não só o geoestacionário, que ainda não temos, é fundamental para aumentar a produtividade na agricultura e no controle das fronteiras - explicou.

A efetivação dos caças Grippen, uma parceria com a Suécia, e da parceria público-privada visando à gestão da rede de comunicações integradas da Aeronáutica foram outras notícias relacionadas à área destacadas por Rossato durante a audiência na CRE.

Caráter Estratégico

O presidente da CRE, senador Fernando Collor (PTC-AL), disse acreditar que as necessidades básicas de recursos da Força Aérea brasileira precisam ser providas pelo governo "de alguma forma", devido a seu caráter estratégico e a sua importância para a soberania nacional.

- Se vizinhos nossos estão investindo muito mais, temos que estar alertas, não podemos perder essa vantagem que sempre tivemos, mas estamos perdendo - lamentou.

Os senadores Jorge Viana (PT-AC) e Ana Amélia (PP-RS) também manifestaram preocupação com os investimentos em pesquisas espaciais. Viana sugeriu que a CRE tenha como compromisso suprapartidário suprir a Aeronáutica dos recursos mínimos demandados, em suas emendas ao Orçamento.

OBS: Veja abaixo a matéria produzida pela FAB TV sobre a participação do Tenente Brigadeiro-do-ar Nivaldo Luiz Rossato nesta audiência.



Fonte: Site da Agência Senado

Comentário: Pois é leitor, tire um tempo e leia com bastante atenção essa notícia. Note que no que diz respeito ao nosso “Patinho Feio” apesar do Comandante da Aeronáutica cobrar nessa tal de audiência pública de merda recursos para o mesmo, em momento algum ele cita nominalmente o Projeto que deveria ser o carro chefe do PEB e de seu discursos públicos quanto a estas questões, ou seja, o Projeto do VLM-1. Ele só se preocupa em enaltecer o lançamento deste Satélite Frankenstein Frances SGDC e o suposto esforço da FAB para buscar o próximo Satélite de Defesa que certamente será fabricado novamente pela França (vergonha). Leitor, desde a época do Ex-Comandante Saito não há no Comando da Aeronáutica (COMAER) o firme proposito de cobrar desses vermes nada relacionado com veículo lançadores de satélites ou de novos foguetes de sondagens, e essa notícia é mais uma prova disso. O que o Comandante Rossato não disse convenientemente foi que sem um veiculo lançador que atenda as nossas necessidades, jamais seremos autossuficientes no espaço e todo o esforço em comunicações de solo, de satélites desenvolvidos no país ou comprados no exterior (como este vergonhoso SGDC), ou mesmo os investimentos feitos em aviões, submarinos e carros de combates pelas três forças, estarão em risco sem um escudo de proteção adequada perante as nações que dominam o espaço devido a negligencia na busca por esta autossuficiência espacial. Enfim... estamos não só brincando de fazer Programa Espacial e sim também brincando com fogo, e quem faz isso...

Comunicado da AEB

Olá leitor!

A nossa Agencia Espacial de Brinquedo (AEB) postou dia 18/05 em seu site oficial um comunicado que transcrevo abaixo para os interessados.

Duda Falcão

Comunicado

Processo Seletivo para Estágio


A Agência Espacial Brasileira (AEB) informa aos interessados que as inscrições referentes ao Processo Seletivo para estágio na Diretoria de Satélites, Aplicações e Desenvolvimento (DSAD) estão encerradas em razão do grande número de candidatos inscritos.

Os candidatos que enviaram documentação devem aguardar retorno, pois as vagas serão preenchidas conforme necessidade da Diretoria.


Fonte: Site da Agencia Espacial Brasileira (AEB) - http://www.aeb.gov.br

Associação COBRUF Anuncia Equipes Candidatas Para Uma das Modalidades da COBRUF Rockets 2017

Olá leitor!

A Associação COBRUF anunciou dia 16/05 em sua página oficial às equipes que se candidataram na modalidade de lançamento de foguetes avançados de alta potência da competição “COBRUF Rockets 2017”. Veja este anuncio abaixo.

Duda Falcão

A COBRUF Rockets 2017 orgulhosamente apresenta as equipes que se candidataram na modalidade de lançamento de foguetes avançados de alta potência!

As equipes que se candidataram à Vaga Aberta enviarão um Projeto Crítico (PCO) de seus foguetes e missões para a Associação COBRUF até 22 de maio. As duas equipes com os melhores PCOs serão convidadas às Vagas Abertas e terão cumprido a fase inicial de 5 Fases de Autorização de Voo.

A UFABC Rocket Design, por ter sido campeã geral da COBRUF Beta e se candidatado nesta modalidade, receberá, automaticamente, um convite para a Vaga Reservada e terá cumprido a fase inicial de Autorização de Voo.

Caso qualquer das equipes convidadas não cumpra as demais Fases de Autorização de Voo, sua vaga poderá ser realocada para a equipe com o seguinte melhor Projeto Crítico!

Este formato de modalidade visa simular as condições presentes no mercado internacional de foguetes comerciais, onde, para obter um contrato em grandes missões, cada interessado deve ser capaz de se destacar em planejamento, excelência técnica, economia e segurança.

Inscrições para as modalidades Computacional, Propulsor, Ensino Médio (minifoguetes) e Trabalhos Científicos (CanSats), da Cobruf Rockets 2017, permanecerão abertas até dia 16 de junho! Restam apenas 10 vagas.

A lista completa das equipes inscritas será divulgada após esta data. Inscreva sua equipe em http://rockets.cobruf.com.br



Fonte: Associação COBRUF

Comentário: Fantástico, quero aqui parabenizar publicamente a Associação COBRUF na pessoa do seu jovem presidente, Emersson Nascimento, pelo grande trabalho que vem realizando. Ao mesmo tempo parabenizar todas as equipes que se inscreveram nesta modalidade (valeu a parceria Roberto, é isso aí) e em especial as equipes nordestinas (senti falta da equipe da UFC) e principalmente a “Carcará Rocket Design” da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), equipe esta que creio já se tornou xodó de todos que conhecem os seus integrantes. Sucesso a todos vocês caros fogueteiros. Entretanto leitor, aproveitando a oportunidade gostaria de me dirigir ao jovem presidente Emersson Nascimento da Associação COBRUF dizendo: Emersson, em reconhecimento aos pioneiros do Espaçomodelismo Brasileiro está na hora de abrir espaço para grupos independentes como o CEGAPA, CEFAB, CEFEC e outros que existam no país. Essa gente jovem Emersson tem muito a colaborar e atividades espaciais se faz com experiencia, conhecimento e colaboração.

UFPel Cria Equipe de Fogueteiros

Olá leitor!

Gilberto Kreisler
Quem participou do Festival Nacional de Minifoguetes do ano passado e desse ano deve lembrar do jovem Gilberto Kreisler, integrante da equipe Microguapos  em 2016  da PUC-RS e do Grupo CEGAPA em 2017 respectivamente.

Pois então, na noite de ontem (18/05) recebi uma notícia desse jovem carioca estudando em Pelotas que demonstra uma vez mais o crescimento do Espaçomodelismo no Brasil. Segundo o jovem Gilberto, a Universidade Federal de Pelotas (UFPel) criou recentemente o seu grupo de fogueteiros, e já conta com uma página oficial no Facebook que pode ser acessada pelo link: https://www.facebook.com/ufpelrocketteam.

Logo da Equipe
Trata-se da equipe “UFPel Rocket Team” que já se encontra em atividade formada por estudantes desta Universidade tendo como objetivo projetar e desenvolver foguetes experimentais, além de despertar vocações para a área de ciência e engenharia.

Com a criação desta equipe o estado do Rio Grande do Sul (ate onde sei) chega a sua terceira equipe universitária de Fogueteiros (as outras são a “Equipe Cruzeiro do Sul de Engenharia de Foguetes – ECSEF”, da PUC-RS - Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul de Porto Alegre e o “Grupo Gincarvi Jr. de Tecnologia em Foguetes”, da UCS - Universidade de Caxias do Sul, campus de Bento Gonçalves), além do grupo independente “CEGAPA - Centro Gaúcho de Pesquisas Aeroespaciais”, este locado também em Pelotas.

O Blog BRAZILIAN SPACE aproveita para parabenizar esta iniciativa da UFPel e desde já deseja sucesso aos seu integrantes.

Avante UFPel Rocket Team

Duda Falcão

Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica Chega à Sua 20ª Edição

Olá leitor!

Recebi na noite de ontem (18/05) o release abaixo do Sr. Carlos Pinho informando que a Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) chega no dia de hoje à importante marca de 20 edições. Leia com atenção esse texto sobre o fantástico trabalho que vem sendo realizado por essa galera coordenada pelo Prof. João Batista Garcia Canalle.

Duda Falcão

Olimpíada Brasileira de Astronomia e
Astronáutica Chega à Sua 20ª Edição

Mais de 8 milhões de estudantes já participaram do evento até hoje

A Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica chega à importante marca de 20 edições. A prova de 2017 acontece no dia 19 de maio e é voltada para todos os estudantes dos ensinos fundamental e médio. Nesse ano, foram cadastradas cerca de 13 mil escolas. Espera-se um total de 800 mil participantes.

Segundo o coordenador da OBA, o professor e astrônomo Dr. João Canalle, a olimpíada tem como missão debater e compartilhar práticas pedagógicas voltadas a essas disciplinas, além de divulgar o valor dessa ciência em âmbito nacional.

- Queremos levar a maior quantidade de informações sobre as ciências espaciais para a sala de aula, despertando o interesse nos jovens - reforça.

A olimpíada é dividida em quatro níveis - os três primeiros são para alunos do ensino fundamental e o quarto, para os do ensino médio - e a prova é composta por dez perguntas: sete de astronomia e três de astronáutica. A maioria das questões é de raciocínio lógico. As medalhas são distribuídas conforme a pontuação obtida por cada nível.

Os melhores classificados na OBA representarão o país nas olimpíadas Internacional de Astronomia e Astrofísica e na Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica de 2018. E os participantes dessa edição ainda vão concorrer a vagas na Jornada Espacial, que acontece em São José dos Campos (SP), onde os participantes recebem material didático e assistem a palestras de especialistas na área espacial.

- Temos como proposta promover a disseminação dos conhecimentos básicos de forma lúdica e cooperativa entre professores e alunos, além de mantê-los atualizados - ressalta.

Trajetória e Crescimento

Em 20 anos de existência, a OBA já superou os 8 milhões de participantes e distribui anualmente cerca de 40 mil medalhas. Em 2016, a olimpíada teve a participação de 744.107 estudantes de 7.915 escolas de todos os estados do Brasil e do Distrito Federal, além da colaboração de 64 mil professores.

Além de ter crescido, a OBA se multiplicou. Dentro da olimpíada foi criada a Mostra Brasileira de Foguetes, a MOBFOG, que tem cerca de 90 mil participantes por ano lançando seus foguetes aos céus do Brasil. Mas não é só isso. Também nasceram as Jornadas Espaciais, as Jornadas de Foguetes, os Acampamentos Espaciais e os Encontros Regionais de Ensino de Astronomia (EREAs). Este último já capacitou mais de6.200 professores passando por diversas cidades do país, até mesmo na longínqua Oiapoque, no extremo norte do Amapá.   

Mostra Brasileira de Foguetes

Realizada pela OBA, a 11ª Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG) avalia a capacidade dos estudantes de construir e lançar, o mais longe possível, foguetes feitos de garrafa pet, de tubo de papel ou de canudo de refrigerante. Ela é voltada para alunos dos ensinos fundamental e médio de escolas públicas e particulares de todas as regiões do país. Jovens que concluíram o ensino médio podem participar, desde que representando a instituição na qual se formaram, com a concordância da mesma. O evento acontece dentro da própria escola e tem quatro níveis. A novidade deste ano é que professores também poderão construir e lançar foguete.

Os estudantes do ensino médio que conseguirem os melhores lançamentos de foguetes serão convidados para a Jornada de Foguetes, evento anual que reúne alunos de todo país na cidade de Barra do Piraí, no interior do Rio de Janeiro. Em 2016, a MOBFOG contou com 86.606 alunos. Para essa edição são esperados mais de 100 mil alunos.

Os foguetes devem ser elaborados e lançados individualmente ou em equipe. Após o dia 19 de maio (data da prova da OBA), a escola deverá informar os nomes dos participantes e os alcances obtidos por seus foguetes. No final, todos, incluindo professores e diretores, recebem um certificado e os estudantes que alcançarem os melhores resultados receberão medalhas.

Os alunos do nível 1 (do 1º ao 3º ano do ensino fundamental) lançam foguetes construídos com canudinhos de refrigerantes. Os do nível 2 (do 4º ao 5º ano do fundamental) elaboram foguetes com tubinhos de papel. Já os alunos do nível 3 (do 6º ao 9º ano) constroem foguetes com garrafas PET, mas usam somente água e ar comprimido para lançá-los.

Somente os participantes do nível 4 (ensino médio) são convidados para a Jornada de Foguetes, evento anual que acontece na cidade de Barra do Piraí, no Rio de Janeiro. Eles também fazem foguetes de garrafa PET, mas com um elemento mais complexo, pois têm que usar combustível químico, ou seja, vinagre e bicarbonato de sódio. No site da OBA, no tópico “Downloads”, encontram-se todos os detalhes para a construção dos projetos, além dos vídeos explicativos. Os resultados serão obtidos por meio das distâncias medidas ao longo da horizontal entre a base de lançamento e o local de chegada dos foguetes.

Para esse ano, a organização da MOBFOG criou uma campanha de crowdfunding para que a sua 11ª edição possa acontecer. O objetivo é arrecadar o valor de R$ 50 mil. Para contribuir, basta acessar o site www.vakinha.com.br/vaquinha/foguetes-da-oba

Organização 

A OBA é coordenada por uma comissão formada por membros da Sociedade Astronômica Brasileira (SAB) e da Agência Espacial Brasileira (AEB). São promovidos, desde 2009, os Encontros Regionais de Ensino de Astronomia (EREAs), entre 10 e 12 por ano. O programa é realizado com parcerias locais e principalmente com recursos obtidos junto ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Quem desejar organizar um EREA em sua região, basta entrar em contato com a secretaria (oba.secretaria@gmail.com).

Mais Informações:

20ª Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA) / 11ª Mostra Brasileira de Foguetes (MOBFOG):


Carlos Pinho
Assessor de comunicação
Mercado da Comunicação
(21) 2284-4949 / (21) 9 8633 3032

quinta-feira, 18 de maio de 2017

Nanosatélite 14-BiSat do IFF Muda de Missão e Só Será Lançado em 2019

Olá galera!

De retorno aos trabalhos, já liberado pelo meu médico (ainda com reservas), trago agora para você uma notícia que recebi recentemente através de um e-mail do Centro de Referência em Sistemas Embarcados e Aeroespaciais (CRSEA) do Instituto Federal Fluminense (IFF), apresentando o andamento do projeto do seu nanosatélite 14-BISat, que esta sendo desenvolvido em conjunto com o nanossatélite GAMASAT-1, este pertencente à TEKEVER S. A, (Portugal/Brasil).

Segundo o CRSEA, os dois nanossatélites foram projetados e fabricados em parceria pelas duas organizações visando à participação de ambos na missão espacial internacional QB50. Para esta missão esses nanossatélites foram equipados com rádios transceptores de dados com tecnologia SDR de nome GAMALINK, com capacidade de formar Redes Ad Hoc espaciais de comunicação em alta velocidade entre satélites (Inter Satellite Link) e ao mesmo tempo trafegar dados com o segmento terrestre, operando na banda S.

Adicionalmente, ambos receberam o experimento FIPEX, que é basicamente um conjunto de sensores de oxigênio atômico e oxigênio molecular, como payload oficial do QB50 e fornecido pela coordenação da missão. As diferenças fundamentais entre o 14-BISat e o GAMASAT-1 estão no tamanho, pois o primeiro é um satélite 2U e o outro um satélite 3U, e um payload extra no GAMASAT-1 para testes de reentrada na atmosfera por meio de uma mini cápsula espacial de nome GAMADROP.

Os subsistemas de ambos satélites foram desenvolvidos e fabricados pela parceria CRSEA – TEKEVER sendo que os painéis solares do 14-BISat foram fabricados e testados pela Orbital Engenharia.

Antes da entrega dos satélites à coordenação da missão QB50, compreendendo a mudança do cenário desta missão, foi então avaliado se os satélites não poderiam ser utilizados em uma outra missão que trouxesse maior crescimento tecnológico aliado ao atendimento de necessidades comuns do Brasil e de Portugal no setor aeroespacial, mantendo um forte cunho educacional e científico que inicialmente havia sido planejado pelos lideres da missão QB50.

Sendo assim, após reuniões entre o CRSEA e a TEKEVER foi decido pelo estabelecimento de uma nova missão espacial específica para o 14-BISat e o GAMASAT-1, com lançamento previsto para 2019.

Diante do fato dos dois satélites já estarem prontos, os subsistemas serão ajustados para receberem os novos payloads que atenderão a nova missão.

A nota do CRSEA finaliza informando que em momento oportuno mais informações sobre o projeto do 14-BISat serão disponibilizadas. Aguardem!

Duda Falcão

Nanosatélite 14-BISat.

Acrux Realizará em Julho Mais Uma Edição do Space Camp Brasil

Olá leitor!

Após um recesso de um ano, a Acrux Aerospace Technologies realizará em 2017 a quinta edição do seu Space Camp Brasil, evento espacial direcionado para alunos ensino médio.


Você leitor que acompanha o “Blog BRAZILIAN SPACE” diariamente sabe que uma de nossas bandeiras sempre foi à luta pela realização no Brasil de eventos espaciais educacionais como esse do internacionalmente conhecido e exitoso modelo “SPACECAMP”, evento este que apoiamos e divulgamos deste a sua primeira edição.

O evento deste ano será realizado de 25 a 30/07 em Foz do Iguaçu-PR, e contará com o apoio da Olimpíada Brasileira de Astronomia e Astronáutica (OBA), da Fundação Marcos Pontes e da Faculdade União das Américas (UNIAMÉRICA).

Vale aqui lembrar que as quatro edições anteriores do  Space Camp Brasil realizadas pela Acrux de 2012 a 2015 foi fruto da iniciativa e da visão do jovem empreendedor Oswaldo Barbosa Loureda e de seu ex-sócio Waldir Vieira, sempre com o crucial apoio da OBA.

Agora, atuando como coordenador de Engenharia Aeroespacial do Curso de Engenharia Mecânica da Faculdade UNIAMÁRICA em Foz do Iguaçu-PR, onde se estabeleceu após ter retornado de Israel onde foi fazer pós-doutorado no Israel Institute of Technology (TECHNION), Oswaldo está cheio de planos para sua nova Acrux e aproveita para dar sequencia nesta que é uma de suas bandeiras, ou seja, a educação.

Para tanto, além desta quinta edição do Space Camp Brasil, Oswaldo recentemente esteve no Festival Nacional de Minifoguetes em Curitiba liderando a equipe de fogueteiros Active Engineers da UNIAMÉRICA, equipe esta formada apenas dois meses antes da competição por esse jovem empreendedor. Veja abaixo um pouco desta história contada pelos seus próprios integrantes.

Duda Falcão

Blog é Presenteado Com Livro Sobre o PEB

Olá leitor!

Capa do livro.
Quanto retornei de meu descanso em Itacaré-BA (local que recomendo a todos) no inicio da tarde desta quinta-feira (18/05), encontrei no meio das contas para pagar uma correspondência originada de Montes Claros-MG, correspondência esta que me deixou muito satisfeito e que eu não poderia deixar de registrar.

Tratou-se de um envelope enviado pelo Prof. Julio César Guedes Antunes contendo em seu interior o livro "O Impacto Social do Programa Espacial Brasileiro" de sua autoria, um dos poucos já inscritos que tem como tema o nosso abandonado e fantasioso "Patinho Feio".

Quero aqui publicamente agradecer ao Prof. Julio César pelo envio deste exemplar e lembrar aos interessados no livro que o mesmo pode ser adquirido pelo link: https://www.pacolivros.com.br/O_Impacto_Social_do_Programa_Espacial_Brasileiro/prod-4777668/

Duda Falcão